sexta-feira, 4 de novembro de 2016

Governo federal vai de táxi


Correio Braziliense     -     04/11/2016




A partir de janeiro de 2017, órgãos do Poder Executivo Federal vão utilizar um novo modelo de transporte para realizar atividades administrativas. Servidores e colaboradores poderão solicitar serviço de táxi por meio de um aplicativo de celular. A expectativa é que seja possível economizar R$ 20 milhões por ano com serviços de transporte.

Hoje, o gasto anual com locação de veículos, motoristas terceirizados e manutenção da frota é de R$ 32 milhões. A empresa vencedora da licitação foi a Shalom Ltda., que ofereceu preço de R$ 12,7 milhões por ano. A seleção exigia, além de frota de veículos, um sistema de gerenciamento do uso do serviço e um aplicativo para solicitação de corridas pelos servidores.

"A medida é oportuna no contexto atual. É uma forma de o Estado ter um serviço de qualidade e economizar. Mas, é necessário transparência nessas contratações e fiscalização para saber dos resultados. O propósito e as bases são adequadas, mas resta ver como funcionará na prática", analisou José Matias-Pereira, professor de administração pública da Universidade de Brasília (UnB).

No novo modelo, o governo passará a pagar os deslocamentos por quilômetro percorrido e por tempo de utilização dos veículos. "Com as mudanças, além da redução do gasto, os servidores terão um serviço da melhor qualidade disponível e haverá informações mais precisas sobre o uso dos transportes", ressaltou o ministro do Planejamento, Dyogo Oliveira.

O Planejamento ficará responsável pela gestão de um único contrato que atenderá a todos os órgãos federais. Inicialmente, participarão da iniciativa os ministérios da Ciência, Tecnologia e Comunicações; Planejamento; Saúde; Agricultura, Pecuária e Abastecimento; e Transparência, Fiscalização e Controle. A expectativa é que os outros ministérios migrem para o novo modelo até o início de 2018. Os 130 veículos próprios da frota do governo serão realocados para atender outras necessidades da administração pública federal.


Notícia Anterior
Próxima Notícia