sábado, 2 de junho de 2018

Funpresp prepara licitação para selecionar gestores


BSPF     -     02/06/2018




A Fundação de Previdência Complementar do Servidor Público Federal (Funpresp) fará uma licitação para contratar novos gestores de recursos para os investimentos de seus beneficiários. O objetivo é adequar as carteiras à adoção de estratégia baseada no perfil dos participantes.

A concorrência será realizada até o ano que vem, segundo o presidente da Funpresp, Ricardo Pena. Serão selecionados gestores específicos para renda fixa, renda variável, títulos privados, investimentos no exterior e infraestrutura. As casas que fazem a gestão atualmente - Santander, Itaú Unibanco e Banco do Brasil, entre outras - oferecem estratégias multimercados.

"Vamos criar perfis de investimento de acordo com o ciclo de vida dos participantes", diz Pena.

Em operação desde 2013, a Funpresp tem cerca de 60 mil servidores e administra planos de contribuição definida dos Poderes Executivo e Legislativo federal. Hoje, a todos os investidores é oferecido o mesmo perfil de risco - uma carteira com 96% de títulos públicos e o restante distribuído entre renda fixa e variável. São justamente esses 4% que cabem aos gestores externos.

Com a mudança, a Funpresp pretende estipular quatro perfis de investimento, conforme a fase da vida em que o servidor se encontra. A fundação fará uma sugestão relacionando idade e propensão a risco, mas o participante poderá escolher o que preferir. Conforme o perfil, a alocação em ativos de maior risco irá de 0% a até 45%. É para estratégias de investimento nessa fatia que os novos gestores serão selecionados.

"Queremos que os servidores tenham uma participação mais ativa no acompanhamento de seus recursos", afirma Pena.

A ideia é levar a proposta ao conselho da fundação ainda neste semestre e implementar a criação dos perfis de investimento em meados de 2019.

A Funpresp tem R$ 923 milhões sob gestão, sendo R$ 643 milhões dentro de casa e o restante, sob gestores terceirizados. A carteira acumulou rentabilidade de 3,69% neste ano, até abril. A fundação espera chegar a 68 mil participantes até dezembro, entre novos servidores e adesão dos que estão em regime de benefício definido.

Por Talita Moreira

Fonte: Valor Econômico


Notícia Anterior
Próxima Notícia