sábado, 10 de março de 2018

Jovem apadrinhado do PTB é afastado de cargo no Ministério do Trabalho



BSPF     -     10/03/2018




Mikael Tavares Medeiros, jovem de 19 anos, é responsável por autorizar pagamentos que chegam a R$ 473 milhões por ano aos fornecedores do ministério.

Brasília - O Ministério do Trabalho decidiu afastar da função o rapaz de 19 anos que ocupa o cargo de gestor financeiro de contratos da pasta. Mikael Tavares Medeiros, que acabou de terminar o ensino médio, era responsável por autorizar pagamentos aos fornecedores do ministério. O afastamento do jovem foi informado pelo Jornal da Globo.

Mikael Tavares Medeiros nunca foi gestor de nada, no setor público ou privado. O emprego anterior dele foi de vendedor, numa loja de óculos. O caso foi revelado nesta sexta-feira (9) pelo jornal “O Globo”.

O pai de Mikael Medeiros é aliado do líder do PTB, o deputado federal Jovair Arantes, que teria sido o responsável pela indicação do garoto ao Ministério do Trabalho. Cristiomário Medeiros é delegado da Polícia Civil de Goiás e foi candidato derrotado a prefeito de Planaltina de Goiás, em 2016, pelo PTB.

Depois da repercussão do caso, o presidente nacional do PTB, Roberto Jefferson, ainda nesta sexta-feira (9) pediu ao ministro do Trabalho, Helton Yomura, que exonerasse Mikael Medeiros da coordenação da área de recursos logísticos da pasta.

Roberto Jefferson disse em rede social que "errou quem resolveu colocar um jovem inexperiente em um cargo importante no Ministério do Trabalho". "Pedi ao Ministro que exonere esse rapaz", completou.

Gestor financeiro

Mikael Medeiros foi nomeado para o ministério em outubro do ano passado para coordenar a área de recursos logísticos. A nomeação foi assinada pelo então ministro do Trabalho, Ronaldo Nogueira (PTB).

Dois meses após a contratação, Mikael mudou de função e passou a ser gestor financeiro. O salário dele no ministério é de R$ 5.440. Um dos contratos de responsabilidade de Mikael é com a empresa B2T – Business to Technology.

Um dia depois de Mikael assumir a função, o ministério liberou uma ordem de pagamento de R$ 22 milhões à empresa.

No ano passado, auditores da Controladoria-Geral da União (CGU) recomendaram que a empresa e os responsáveis pelo contrato no Ministério do Trabalho devolvessem R$ 4,6 milhões por causa de sobrepreço nos serviços.

O Ministério do Trabalho disse que a ordem de pagamento teve o aval da Advocacia-geral da União (AGU) e que a contratação de Mikael não levou em conta a idade do rapaz, mas sim a conduta ilibada para exercer o cargo.

O ministério disse, ainda, que todos os pagamentos seguem rígida rotina de checagem e conferência, e que os pagamentos à empresa B2T seguiram os mesmos padrões.

Fonte: G1


Notícia Anterior
Próxima Notícia