Planejamento libera todos servidores para trabalhar em dias de jogos


Blog do Vicente     -     21/06/2018




Diante da enxurrada de liminares na Justiça, o Ministério do Planejamento vai editar, na sexta-feira (22/06), uma portaria dando aos servidores a opção de trabalharem em dias de jogos do Brasil. Quem quiser ir para a repartição e ver as partidas lá poderá fazê-lo normalmente. Quem quiser ver o jogo em outro lugar e, depois, ir para o trabalho, também terá essa opção, mas desde que compense as horas.

Com essa decisão, o Planejamento quer uniformizar o funcionamento do setor público. Não havia, segundo o ministério, como definir tratamento diferenciado com base em liminares. Pela portaria anterior, o Planejamento estipulava que, nos dias de jogos do Brasil pela manhã, os órgãos federais só começariam a funcionar a partir das 13h. Nos dias de partidas na parte da tarde, o expediente seria encerrado às 13h.

A meta do Planejamento, ao manter as repartições públicas fechadas meio expediente em dias de partidas do Brasil era economizar. Mas várias carreiras começaram a questionar a decisão. Foi o caso dos médicos peritos do Instituto Nacional do Seguro Social (INSS). Eles recorreram aos tribunais para ter liberdade de escolha. E saíram vitoriosos.

No entender do Planejamento, a nova portaria dará racionalidade ao funcionamento do governo federal. Agora, o que todos estão se perguntando é se as carreiras que recorreram à Justiça para trabalhar em dias de jogos do Brasil realmente vão comparecer às repartições. De nada adiantará fazer tanto barulho apenas para não compensar as horas não trabalhadas. Essa é a impressão de muitos.

Tradicionalmente, a Esplanada dos Ministérios fica vazia em dias de jogos do Brasil na Copa. O desejo de várias carreiras em trabalhar nos horários das partidas pode estar vinculado ao desinteresse pelo campeonato mundial, diante do péssimo momento vivido pelo país, com crise econômica, política e ética.

Assim como os servidores estão exigindo trabalhar durante os jogos do Brasil na Copa, é preciso que aqueles que também não têm interesse em assistir as partidas possam ser atendidos pelas repartições públicas. Os consumidores não podem dar com a cara na porta.


Compartilhe
Notícia Anterior
Próxima Notícia