Servidores públicos denunciam Paulo Guedes na Comissão de Ética por fala sobre parasitas


BSPF     -     12/02/2020




O ministro da Economia, Paulo Guedes, foi denunciado na Comissão de Ética da Presidência da República, nesta terça-feira (11), por ter comparado servidores públicos a parasitas. Autor da representação, o Fórum Nacional Permanente de Carreiras Típicas de Estado (Fonacate) pede ao colegiado que investigue se o ministro violou o Código de Conduta da Alta Administração Federal e o Código de Ética Profissional do Servidor Público Civil do Poder Executivo Federal.

Para o Fonacate, as "afirmações configuram desrespeito gratuito e desmedido a 12 milhões de servidores públicos" e não condizem "com o decoro do chefe de pasta que hoje congrega funções pertinentes à organização dos quadros de pessoal da Administração Pública".

Dignidade

De acordo com a denúncia, Guedes praticou "assédio institucional inaceitável, tanto sob o ponto de vista da dignidade ou do decoro do cargo quanto sob a perspectiva deontológica" e tratou com desrespeito os 12 milhões de servidores públicos do país.

"Verifica-se que o denunciado declarou expressamente que direitos resguardados constitucionalmente a todo trabalhador brasileiro, inclusive para agentes públicos, como o direito à aposentadoria e ao salário digno, seriam as razões para a falta de recursos públicos. Ademais, sugeriu que a estabilidade conferida pela Constituição da República aos servidores públicos para a atuação independente e livre de pressões políticas seria desarrazoada”, diz a representação.

Privilégios

Na última sexta-feira (7), ao comentar a reformas administrativa proposta pelo governo federal, o economista criticou o reajuste anual dos servidores e afirmou que eles já têm privilégios, como estabilidade no emprego e "aposentadoria generosa". "O hospedeiro está morrendo, o cara virou um parasita, o dinheiro não chega no povo e ele quer aumento automático", declarou durante palestra na Escola Brasileira de Economia e Finanças da Fundação Getúlio Vargas (FGV-EPGE), no Rio de Janeiro.

Nessa segunda, após a repercussão negativa da comparação, ele se desculpou pela declaração. Mas disse que sua fala foi retirada de contexto e que se expressou mal. A avaliação de parlamentares é que a declaração do ministro pode complicar a aprovação da reforma administrativa. O Fonacate reúne 32 entidades de carreiras exclusivas ao Estado nos poderes Executivo e Legislativo, além do Ministério Público, e representa 200 mil servidores.

Por Edson Sardinha

Fonte: Congresso em Foco


Compartilhe
Notícia Anterior
Próxima Notícia