quinta-feira, 19 de maio de 2016

Servidores querem manter acordos


Correio Braziliense     -     19/05/2016




As carreiras que fecharam acordo no dia da votação do impeachment no Senado têm pressa em saber qual será o posicionamento do novo ministro do Planejamento, Romero Jucá, sobre as propostas. Para valerem, os acordos precisam da aprovação do atual governo, pois, como os reajustes foram acertados para o ano que vem, precisam ser encaminhados ao Congresso Nacional, até agosto, prazo final para envio da Lei Orçamentária de 2017.

Assinaram termo com a Secretaria de Gestão de Pessoas e Relações de Trabalho (SEGRT): analistas técnicos de políticas sociais, analistas de infraestrutura, peritos agrários do Incra, delegados, peritos, escrivães, papiloscopistas e agentes da Polícia Federal e servidores do Departamento Nacional de Infraestrutura e Transportes (Dnit) e da Polícia Rodoviária Federal.
Porém, desde a posse da equipe do governo interino, a sinalização é de que as negociações de última hora serão analisadas.

Os representantes sindicais esperam ter oportunidade de discutir as propostas com o novo ministro da pasta. No caso da Polícia Federal, o acordo firmado prevê reajuste de 10,8%, em janeiro de 2017, com bônus de R$ 3 mil para delegados e peritos e de R$ 1,8 mil para agentes, escrivães e papiloscopistas, além de aumento de 4,75% e 4,5%, em 2018 e 2019, respectivamente. O presidente da Federação Nacional do Policiais Federais (Fenapef), Luís Boudens, tem expectativa de ser recebido ainda esta semana para tratar da negociação. “Queremos que o governo faça a adequação de tornar os reajustes igualitários para todas as carreiras da PF. Não tivemos tempo para conversar no momento que assinamos”, afirmou .

Impacto

Os servidores do Dnit, analistas e especialistas em infraestrutura e peritos do Incra concordaram com aumento de 27,9% em três anos: 12,8% em janeiro de 2017, 6,6% em 2018 e 6,3% em 2019. O secretário-geral da Confederação dos Trabalhadores no Serviço Público Federal (Condsef), Sérgio Ronaldo da Silva, argumenta que os reajustes terão pouco impacto no orçamento e por isso não vê motivos para não serem mantidos. “Nossos acordos são com o Estado. Independentemente de quem esteja no comando, vamos continuar negociando”, explicou.

O presidente da Associação Nacional dos Analistas e Especialistas em Infraestrutura (AneInfra), Rodolpho Salomão, considerou um alívio assinar o acordo, já que os debates haviam sido suspensas no dia anterior, mas ainda espera discutir a reestruturação da categoria com o novo governo. “Apresentamos proposta que prevê que os ajustes salariais aconteçam progressivamente de acordo com o plano de carreira. É lamentável que a categoria tenha se dedicado por um ano de negociação para acabar em um acordo às pressas”, apontou.


Notícia Anterior
Próxima Notícia